2019, by André Chaíça

Veneza

DEZEMBRO DE 2019

Se existe cidade em que temos que esquecer o mapa é Veneza,

Sim no mês mais bonito do ano rumamos até à cidade do amor, embora quase tenhamos visto a nossa viagem a ir literalmente por "água abaixo" depois das cheias que assolaram a cidade no final do passado Novembro. Mas não foi esta intempérie que nos demoveu a ideia de conhecer esta charmosa e labiríntica cidade.

Tens que saber isto:

Bandeira:

Capital: Roma

Moeda: Euro

Código telefónico: +39

Língua: Italiano

Fuso horário: GMT+1 hora que em Portugal

Localização

Como chegar até Veneza?

Podem estar a estranhar este tópico mas eu achei que faria todo sentido neste post. Porque para mim foi uma surpresa chegar a Veneza (aeroporto Marco Pollo) e ainda não estar em Veneza.

Paço então a explicar esta confusão que há de estar nas vossas cabeças, ao chegar ao aeroporto temos de apanhar um táxi  que aqui se chama Vaporetto (40€) ou um bus (13€ pessoa) que nos levará até Piazalle Roma, e aqui sim temos de arranjar um water taxi ou um water bus para nos levar mesmo até Veneza.

Nós optámos pelo Water bus porque os valores eram bastante mais acessíveis:

- 1 bilhete - 1 viagem = 7,50€

-1 bilhete - 24h = 20€

A viagem levou cerca de 40 minutos mas com o nível de ansiedade e com o telefone a filmar incessantemente todas as casinhas, gondolas e barcos parecem 5 minutos.

Onde ficar?

Nós alugámos um airbnb que ficou cerca de 50€ p/pessoa como nós éramos 4 acabou por compensar assim. Ficava situado a cerca de 15 minutos do centro muito próximo da paragem do water bus e com farmácia e supermercado á "porta de casa". E a nossa zona chamava-se Giardinni.

O que visitar?

Subscribe & Follow

  • Facebook - Black Circle
  • Pinterest - Black Circle
  • Instagram - Black Circle

INSTAGRAM

Em primeiro lugar, temos que nos perder nestas charmosas ruas cheias de roupa estendida e um cheirinho a lavado que parece que estamos na " aldeia da roupa branca". É nestas ruas que por vezes encontramos as pontes menos conhecidas e mais charmosas e que valem bem a pena porque não têm aquela grande confusão de pessoas.

Esta é provavelmente a ponte mais conhecida da Ilha, por isso está sempre cheia de turistas. Esta fotografia foi tirada literalmente "debaixo da ponte". É muito fácil encontrar as escadas que nos levam até lá.

A Basilíca é gratuita, apenas temos que pagar 5€ para poder subir à loggia (termo arquitetónico antigamente usado para "varanda") para podermos ter a vista da Praça.

Também é proibido tirar fotografias dentro da Basilíca e para 

A icónica Piazza de San Marcos que despensa apresentações é a maior atração de Veneza.

Este café ganhou o meu coração. Adorei esta decoração apalaçada deste que é um dos edificios mais antigos da Piazza de San Marcos.

Este café ganhou o meu coração. Adorei esta decoração apalaçada deste que é um dos edificios mais antigos da Piazza de San Marcos.

A mais famosa livraria que serve de cenário para inumeras sessões fotográficas, fica situada num beco e atualmente ainda é gratuita.

Preparem-se porque o cheiro a livros molhados não é o mais agradável.

E nas traseiras da livraria, numa rua super estreitinha encontramos a famosa Ponte dei Conzafelzi. Que não encontramos na maioria dos mapas.

Lá se vai o tempo em que era possível ragatear o valor e o tempo de um passeio de Gôndola.

Estes foram definidos por todos os Gondoleiros em Veneza. O valor é 80€ por 20/30 minutos.

​Há imensas Gôndolas de diferentes cores e feitios, e eu vou deixar no titulo a localização das que eu mais gostei (que achei que eram as mais fotográficas).

Não foi fácil chegar a Burano, porque não há muita informação para turistas em Inglês de como ir até lá.

Como sabem a Ilha tem diversos portos onde param os bus water (7,50€ bilhete diário/podem andar as vezes que quiserem). Para chegar a Burano é necessário apanhar 2 barcos diferentes.

-

1º barco - 4.1. em direção a Murano Faro (não é Burano é mesmo Murano).

2º barco - 12 até Burano.

A viagem dura cerca de 1h. Compensa sempre comprar o bilhete diário!

Veneza antiga

No regresso a Veneza decidimos que seria interessante explorar a parte norte da Ilha, menos turistica e mais pura.